A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Patrick Wolf
Título: Wind In The Wires
Ano: 2005
Editora: TomLab
Formato: CD
Obs: Distribuído por Flur

«Wind In The Wires» é o supreendente 2º álbum do britânico Patrick Wolf! Porque é um disco entusiasmante; porque resulta da criação de um artista com apenas 21 anos mas que apresenta uma maturidade acima da média; porque sucede a um disco em que a variedade de estilos e a cacofonia unificadora não deixavam antever tão brilhante 2º capítulo numa carreira que, agora, promete.

William Bowers, da revista Pitchfork, refere-se à música de Patrick Wolf como sendo lap-pop de câmara. É uma excelente imagem para ajudar a compreendê-la. Isto porque nos seus traços definidores estão inquestionavelmente esses três elementos: a pop, enquanto espaço livre de estruturação melódica e lírica, e de expressão popular; o laptop, enquanto instrumento primordial de processamento sonoro, capaz de agregar sonoridades acústicas (na sua origem) com outras menos orgânicas; e uma certa erudição, eventualmente virtual ou emulada, de quem embrulha cuidadosa e elegantemente as suas canções em papel sedoso e distintivo.

Ao mesmo tempo «Wind In The Wires» é irreverente. Porque não se conforma com a simples formatação de um género estabelecido, antes impondo-lhe novas fronteiras; porque sabe afirmar a sua própria diferença, matizada em esgares fugidios de ruído e distorção digitais, não como descargas desconexas mas como reflexo da descoberta de novas realidades que os tenros anos possibilitam; e ainda porque revela uma honestidade real e artística, no sentido em que sublinha a sua busca particular de arquitecturas sonoras personalizadas, principalmente nos temas de curta duração que surgem dispersos ao longo de todo o disco.

Apraz-nos pensar em «Wind In The Wires» como o embalo definitivo de Patrick Wolf para a notoriedade no universo pop. Mesmo que o futuro acabe por negá-lo como talento-maior - um risco sempre presente quando se entra precocemente no circuito, e maior ainda quando se joga o ornamento da canção como mais alto trunfo - este é um disco afirmativo e capaz de sobreviver às rugas do tempo.

     
Temas   1. The Libertine
2. Teignmouth
3. The Shadow Sea
4. Wind In The Wires
5. The Railway House
6. The Gypsy King
7. Apparition
8. Ghost Song
9. This Weather
10. Jacob's Ladder
11. Tristan
12. Eulogy
13. Land's End
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - The Magic Position | CD | 2007
- The Bachelor | CD | 2009
     
www.rum.pt www.sensoria.pt