A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Morning Star
Título: The Opposite Is True
Ano: 2005
Editora: Microbe Records
Formato: CD

Já em 2001 os Morning Star nos tinham surpreendido com o excelente, mas muito ignorado «My Place In The Dust». Agora já não existe o factor surpresa, mas «The Opposite Is True» assume-se como um disco que importa descobrir, pouco a pouco, e saborear o discreto impacto deste punhado de canções ecléticas e inesquecíveis.

A conduzir o percurso dos Morning Star está, desde sempre, Jesse Vernon. Trata-se de um músico de Bristol que apenas em França (na Microbe Records) encontrou um impulso editorial para o seu trabalho e o verdadeiro reconhecimento da sua contribuição para um mundo pop mais feliz. É em Les Inrockuptibles, prestigiada publicação musical, que encontramos os maiores adeptos da proposta abrangente de Vernon que agora, tal como anteriormente, se faz acompanhar da competência de John Parish para moldar preciosos objectos sonoros, que nos agarram com ternura, olham-nos de frente e abandonam-se no conforto dos nossos ombros num abraço inseparável.

É impossível, chegados aqui, não prestar a devida vénia a «Breaking Through A Wave» (que por si só justifica o investimento no álbum), eventualmente a mais eloquente expressão do seu talento para adornar canções de um modo irrepetível, através de arranjos vocais sedutores, de uma tranquilidade arrebatadora e envolvente, dos jogos de esconde dos sopros e teclas, e de uma conjugação irresistível de sequências melódicas de contornos clássicos.

Em todo o disco assiste-se, de igual modo, à exibição de infindáveis congeminações de possibilidades de estilos e arranjos. A mistura é arrojada, mas o equilíbrio unifica o registo, quer se dissipe em águas calmas remaniscentes do balanço de um tango ou do calor dolente da bossanova, quer se revista de intranquilidade rock ou bucolismo folk.

Não é um disco perfeito, na medida em que algumas das equações ensaiadas precisarão ainda de um trabalho mais aprofundado de detecção de simbioses, mas com «The Opposite Is True» os Morning Star apropriam-se de um lugar importante na alquimia dos sonhos pop.

     
Temas   1- Black swan
2- Breaking through a wave
3- Sunbeam
4- Great day
5- Invisible man
6- The opposite is true
7- Newt love
8- Cuckoo
9- Too much love
10- Going home
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - My Place In The Dust | CD | 2001
- A Sign For The Stranger | CD | 2009
   
Artistas / grupos relacionados   - Fabio Viscogliosi
- John Parish
- Soy Un Caballo
     
www.rum.pt www.sensoria.pt