A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Oneironaut
Título: Pure Through Evolution
Ano: 2004
Editora: Low Transit Industries
Formato: CD

Não é fácil, em 2004, arriscar fazer um álbum como «Pure Through Evolution» que se move nas cada vez mais perigosas águas do post-rock. Mas a verdade é que os australianos Oneironaut venceram, ao produzirem um registo que é bastante mais do que apenas um esboço de boas ideias feitas música.

«Pure Through Evolution» vive do tempo. Um tempo que se consome lentamente à medida que os seus temas se vão desdobrando em sucessivas lâminas de corte, afiadas por guitarras espaciais, vozes quase imperceptíveis, impregnadas de ausência mas essenciais ao equilíbrio e à frescura de intenções, tubas imponentes, trompetes insinuantes, theremins intrigantes, loops digitais, ruídos quase externos ao espectro audível, cordas elegantes e distantes, e um corpo estrutural revestido de traços sincopados pela certeza das peles e pela destreza do quatro-cordas. É este tempo que temos que conceder a cada fragmento melódico revelado para o podermos compreender como um todo, em que cada intrumento é um actor com uma missão particular e entra em cena ordenadamente no momento certo, proclama a sua verdade, e retira-se para um segundo-plano estratégico como figurante-chave da narrativa.

«Pure Through Evolution» vive do clímax. Dos pontos altos que, em cada uma das composições, cuja estrutura tem muito pouco de pop, se constituem como o seu núcleo central, a fonte recolectora de toda a energia, o elemento agregador e congregador de todo o trabalho e que unifica internamente cada uma das 8 peças musicais aqui exibidas e lhes dá sentido e coerência. É uma arrastada construção de alta intensidade electro-acústica, cujo epicentro acontece numa coordenada fora do nosso mapa de leitura.

«Pure Through Evolution» vive ainda do combate ao engano. O engano de ser um disco post-rock sem cair nas armadilhas impostas pelo rótulo, sabendo estar suficientemente afastado dos respectivos referenciais obrigatórios para que não haja colisões de rota e para conseguir desbravar o seu próprio caminho.

     
     
www.rum.pt www.sensoria.pt