A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: James Figurine
Título: Mistake Mistake Mistake Mistake
Ano: 2006
Editora: Monika Enterprise
Formato: CD
Obs: Distribuído por Flur

De Jimmy Tamborello já conhecíamos a sua apaixonada e prolífera envolvência nos Postal Service, Figurines e DNTEL, em que as diferentes articulações com diversos companheiros de criação se unificam na edificação melódica de contornos pop definitivamente singulares. Agora lançado em nova aventura, chamando a si o papel determinante de conduzir individualmente o projecto, Tamborello permitiu-se uma ligeira inflecção de rumo na sua carreira, envolvendo-a na designação James Figurine.

A principal variante de «Mistake Mistake Mistake Mistake», relativamente ao mapa de produções de Tamborello, prende-se com as derivações definitivamente dançantes com que impregna os ritmos aqui escutados e os submerge na tal sensibilidade pop que lhe permite ser único, num território musical que está longe de ser virgem, mas que consigo vê a alma revitalizada. A sucessão de ruídos e glitches, em tempos de 4/4, apelam simultaneamente às pistas e ao prazer auditivo, mas também à exploração minuciosa de cada loop ou sequência, numa demonstração elucidativa do seu poder de sedução imediata e de investigação laboratorial de algumas combinações até aqui impensáveis.

Este impulso derivativo surgiu como reacção à resistência que Tamborello sempre sentiu relativamente à electro-pop, em qualquer das suas variantes, mas que foi subitamente quebrada numa recente tournée dos DNTEL pela Alemanha, quando os seus companheiros de viagem insistiram na audição repetida de techno minimal no autocarro que os transportou, o que veio a alterar a sua perspectiva e o seduziu a tentar trazer para o seu próprio universo uma linguagem que, durante muito tempo, foi por si manifestamente hostilizada.

Para realizar a transposição necessária para que o projecto James Figurine resultasse, tratou de chamar para colaborar consigo o produtor responsável pela editora que funcinou como mola de impulsão desta transformação, Jon Tejada, bem como alguns amigos com prévias experiências ou afinidades nesse domínio musical, como Erlend Oye e Jenny Lewis (Rilo Kiley).

A capacidade de inovar sem que para tal necessite de correr demasiados riscos faz deste disco uma interessante obra, na medida em que, durante a sua audição, nos sentimos em território familiar mas com uma lógica estranhamente invertida, como se, de repente, tivessemos chamado um decorador para mudar radicalmente a nossa própria casa. Aquele espaço continua a ser nosso, mas capaz de surpreender-nos a cada nova gaveta aberta e a desafiar-nos de cada vez que pretendemos estender-nos no sofá.

     
Temas   1. 55566688833
2. Leftovers
3. Ruining the Sundays
4. Pretend It's a Race and I'm on Your Side
5. You Again
6. Apologies
7. One More Regret
8. White Ducks
9. All the Way to China
10. Stop
     
   
Artistas / grupos relacionados   - Death Cab For Cutie
- Dntel
- Rilo Kiley
     
www.rum.pt www.sensoria.pt