A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Beehatch
Título: Beehatch
Ano: 2008
Editora: Lens Records
Formato: CD

Situada num território inóspito no centro da confluência imaginária entre o zumbido de uma colmeia e a sua complexidade organizativa, e a perfídia jactância ordinária de uma casa de alterne vulgar, a música dos Beehatch reflecte uma atitude afrontadora dos seus criadores, que temerariamente desafiam olhos-nos-olhos algumas das regras de bom comportamento musical.

Com este cenário em mente, percebemos que este disco surge como um capítulo lógico nas sete vidas musicais da dupla Phil Western e Mark Spilbey, guerrilheiros de uma mesma causa no projecto Download, e colaboradores de primeira linha de afrontadores das lógicas estabelecidas, como são os Plateau (no caso de Mark) ou os Dead Voices On Air e os Reformed Faction (se pensarmos no passado de Phil).

No caso presente dos Beehatch, percebe-se existir um movimento centrífugo de expansão musical, em que a partir de pequenos apontamentos - rítmicos, melódicos ou simplesmente ruidosos... - se atingem proporções de enorme abrangência na escala de frequências e de estilos, para seguidamente desenharem inversões de sentido como quem regressa ao seu favo com a consciência dormente depois de ter contribuído até à exaustão para processos múltiplos de polenização cruzada, cujos frutos se recolhem mais à frente, quando o tempo e a distância permitirem olhar o momento em perspectiva e o perceberem revolucionário.

Por isso as trajectórias hipnóticas desenhadas por sintetizadores gotejantes se deixam distorcer por drones tecnóides, em sucessivos clímaxes confluentes, ao encontro de lógicas dub e processamentos difusos, no meio dos quais quase se perde o fio à meada melódica, que regressa a espaços, triunfante e afirmativa.

«Beehatch» é, com isto, um disco complexo e exigente, que se assemelha a uma banda sonora para instalações abstractas de arte moderna, em que o sentido de absurdo e de surpresa é o meio que justifica o arrojo do estimulante resultado final.

     
Temas   01. First Song
02. Facing Up To The Facts
03. Tis
04. God is So Good, God is SO Dub
05. Warm and Fuzzy
06. Something Too
07. Kurt Said To Me
08. I Think I'm Chinese
09. Sad For Mark
10. Phil's Zombie Party
11. On Crested Isles
12. YouSayWannaGo
13. I See Your Light Dying
14. To Be Present
     
   
Artistas / grupos relacionados   - Dead Voices On Air
     
www.rum.pt www.sensoria.pt