A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Tape Junk
Título: Tape Junk
Ano: 2008
Editora: Merzbau
Formato: Digital
Obs: Edição gratuita. Download disponível em www.merzbau-label.org

Anúncio: «Tape Junk», o disco que assinala a estreia do projecto com esse mesmo nome, conquista por méritos próprios um lugar especial na galeria da produção pop-rock de 2008!

Aparentemente, o projecto de João Correia limita-se a reciclar com inegável competência as benéficas influências do noise-rock dos anos oitenta, com os Sonic Youth à cabeça, mas também com esgares a outros nomes que contribuiram para a solidificação e credibilização de um género assente em edifícios ruidosos nos quais se escondem sempre, com maior ou menor definição de contornos, tentadoras guloseimas melódicas e/ou desfocados jogos vocais. Não é difícil tentarmos adivinhar que da sua colecção particular fazem parte discos dos Yo La Tengo, Pixies, Big Black, ou mesmo Sebadoh, nos momentos em que Tape Junk incorpora sons acústicos e deixa verter doses maiores de sensibilidade e afecto. Tão pouco nos parece que o compositor faça questão de dissimular essa sua predilecção por melodias atropeladas por fragmentos de meteoritos em processo de enérgica fusão. Esse é, assumidamente, o seu material de trabalho e a sua redefinição criativa é o seu mester.

Mas a aparência é mera ilusão! Aos poucos, «Tape Junk» revela-se de uma amplitude não imediatamente perceptível e àquela equação aparente torna-se necessário adicionar uma actualidade trabalhada pelo tempo e um toque indesmentivelmente pessoal de João Correia, que tem como consequência imediata a instalação vagarosa, mas certeira, deste disco numa suconsciente galeria de favoritos, constantemente evocada pelo cíclico ecoar interior dos traços principais de temas como «The Clock», «Grass», ou «Insomnia».

«Tape Junk» é um óptimo e firme primeiro passo de um percurso que se adivinha frutuoso e que se insinua capaz de esticar em novas direcções as certezas firmes de um universo musical que, em diversos quadrantes, dá mostras de alguma estagnação. Aguardamos impacientemente um regresso à carga!

     
Temas   01. 1994
02. Grass
03. Oblivion
04. The Clock
05. Seawash
06. On the Rope
07. ;
08. In This Town
09. Insomnia
10. Sharp Blade Meets Flesh
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - The Good and the Mean | Digital | 2013
- Tape Junk II | CD | 2015
   
Artistas / grupos relacionados   - Bruno Pernadas
     
www.rum.pt www.sensoria.pt