A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Pit er Pat
Título: High Time
Ano: 2008
Editora: Thrill Jockey
Formato: CD

Com origem em Chicago em 2004, o trio Pit Er Pat parece encaixar com toda a naturalidade no universo multiforme da editora que acolhe a sua música de geometria ondulante, a Thrill Jockey. Não só porque a tradição de não-alinhada desta casa editorial acolhe na perfeição a música excêntrica do grupo, mas também porque o exercício de catalogação rápida dos manifestos estéticos que surgem com enorme efervescência em «High Time» redunda, como em quase todos os discos saídos dali, numa estrondosa frustação.

Numa primeira leitura torna-se evidente que a ampla escolha de instrumentos para a materialização do 3º álbum dos Pit Er Pat tem consequências imediatas não só, eventualmente, nos mecanismos de composição musical mas, de um modo claro, na forma aberta e livre como o processo criativo se desenvolve. Electric kalimba, bobo balaphone, Burmese temple gongs, sinos agogo, anandolohori, cuica, timbale, conga, bongos, vibraslap e diversos shakers, para mencionar apenas alguns dos mais exóticos, aliam-se à formulação pós-rock guitarra-baixo-bateria e à voz espiritual da menina Fay Davis-Jeffers (que com Butchy Fuego e Rob Doran dá corpo ao colectivo), para definir canções de ruptura, fragmentadas, cuja incidência rítmica desenha, quase sempre, uma evocação tribal e meditativa, enquanto bebe sonoridades orientais e as adiciona a um borbulhante caldeirão de múltiplos aromas, em mantras nebulados e inebriantes que se insinuam mais do que se impõem.

Em «High Time» somos levados gentilmente, em grande parte do tempo, no regaço dos Pit Er Pat por entre territórios musicais pouco explorados, em que a melodia em patchwork se quer assumir quase sempre como o fio condutor, mas em que a liderança na sombra é, de facto, exercida por um sentido profundo de intensificação de ambientes, muito pouco condicionados por regras que os pudessem asfixiar e assim originar a sua perda irreparável. Um disco flutuante, amplo e incontido na sua ânsia de liberdade!

     
Temas   1. O In Vs : D In Y : Anno Ivxx
2. Evacuation Days
3. Omen
4. My Darkers
5. Copper Pennies
6. The Cairo Shuffle
7. Creation Stepper
8. Trod-A-Long
9. The Good Morning Song
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - The Flexible Entertainer | Digital | 2010
     
www.rum.pt www.sensoria.pt