A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Fujiya & Miyagi
Título: Lightbulbs
Ano: 2008
Editora: Full Time Hobby
Formato: CD

O frenesim em surdina em torno dos Fujiya & Miyagi começou na fanzinelândia logo após a sua primeira edição, «Electro Karaoke In The Negative Style» (2002) e aumentou de volume com «Transparent Things» (2006). Com este terceiro round, «Lightbulbs», o quarteto britânico (de Brighton) ganha por KO o combate contra a apatia e o conformismo criativos, assinando um disco pleno de oportunidade, inteligência, experimentação e ritmo.

Construído a sua linguagem musical com incrível precisão em cima de beats minimais e sintetizadores arcaicos os Fujiya & Miyagi reacedem aos compêndios da krautmusic e tentam, muitas vezes com notável sucesso, o seu acasalamento com dinâmicas punk-funky, como se os Can e os Gang Of Four fossem as duas identidades de um ser musicalmente esquizofrénico, mas que aqui se fundem numa afirmação de personalidade criativa.

Para além das matizes sonoras assim desenhadas, em silhuetas dançantes de QI considerável, destaca-se do conjunto a voz de David Best. Sem que se possa falar em canto (longe disso), antes em narração quase sussurrada, a verdade é que a postura de aparente desinteresse da voz face aos ambientes que a rodeiam acrescenta uma dose abastada de ironia e de projecção de um futuro que já nos é familiar, mas que continua a ser endermicamente estranho por impossibilidade de realização. Ou seja, em diversos momentos parece estarmos perante a actualização de uma tentativa banda-sonora de «o caminho das estrelas», originando uma ruptura sarcástica entre o requinte sci-fi dos cenários vindouros então imaginados e a inegável estética retro que, em 2008, reconhecemos áqueles espaços.

Assim, «Lightbulbs» é um disco que sabe associar com inteligência uma estética fundada no passado e o recorte tecnológico do início do século XXI, numa postura criativa em estado de alerta aos novos sinais dos tempos digitais que, sem ser espantosamente inovadora, atinge aqui um estado de requintada elaboração plástica.

     
Temas   1. Knickerbocker
2. UH
3. Pickpocket
4. Goosebumps
5. Rook To Queen's Pawn Six
6. Sore Thumb
7. Dishwasher
8. Pterodactyls
9. Pussyfooting
10. Lightbulbs
11. Hundreds And Thousands
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - Transparent Things | CD | 2006
- Ventriloquizzing | Digital | 2011
- Artificial Sweeteners | Digital | 2014
- EP1 | Digital | 2016
- EP2 | Digital | 2016
- Fujiya And Miyagi | Digital | 2017
     
www.rum.pt www.sensoria.pt