A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Girl Talk
Título: Feed The Animals
Ano: 2008
Editora: Illegal Art
Formato: CD

Não há nada em «Feed The Animals» substancialmente diferente do que encontrámos em 2006 no bombástico «Night Ripper», altura em que o DJ Greg Gillis atraiu sobre si os holofotes dos media ao publicar um disco quase inteiramente construído a partir de samples de canções alheias, freneticamente abanados num shaker musical suficientemente largo para que nele coubessem incontáveis géneros musicais intrinsecamente inconciliáveis, mas brilhantemente conciliados.

«Feed The Animals» continua a demonstrar a versatilidade de Gillis nas operações de corta-cola-mistura-e-reconfigura, mas acima de tudo o seu apurado faro musical, que lhe permite perceber antes de todos nós que "aquele" ritmo é curiosamente combinável com "aquele" riff de guitarra e, em conjunto, não ficam nada mal com "aquela" frase de sintetizador. Como anteriormente, é um disco que dasafia os melómanos a encontrarem as fontes sonoras utilizadas neste complexo patchwork (se quiserem fugir ao desafio a wikipedia lista aqui os mais de 300 samples usados), e choca os ouvintes mais sensíveis ao misturar "os seus" artistas imaculados com sons de gosto, no mínimo, duvidoso. É por isso que no espaço de 10 segundos podemos chocar de frente com algo pilhado de "Sexy Boy" (Air) em cohabitação com "Gimme More" (Britney Spears), ou espantarmo-nos com um improvável quarteto virtual em que Madonna, Justin Timberlake, Timbaland e Siouxie & The Banshees parecem ser almas artísticas em plena sintonia. E assim se faz todo o disco, com flashes atordoantes de referências escandalosamente roubadas à história do rap, hip-hop, pop e rock dos últimos 50 anos, em sucessivos atropelos harmoniosos e de todo inesperados.

Os Girl Talk conseguem com este disco mais uma afirmação inequívoca de que é possível usar material musical produzido por outros e, mantendo a atitude artística correcta, lograr atingir um produto genuíno de criação de novidade, deitando mais combustível na discussão permanente em torno dos direitos de autor. Fazem-no ainda como um grito de liberdade face à indústria musical, contribuindo com pistas para a transformação do negócio musical: «Feed The Animals» é distribuído online num sistema em que cada um paga o que entende para descarregar esta música. Se a sua opção for nada pagar, tem apenas de responder a um breve questionário que pretende perceber os porquês dessa opção; se pagar até 5$ pode fazer o download não só dos ficheiros MP3 como também dos seus equivalentes no formato FLAC, de maior qualidade; finalmente, se optar por contribuir com mais de 10$ terá direito aos downloads e ao formato físico em CD.

Tal como já antes referimos, não há, de facto, nada que distinga a essência de «Feed The Animals» do seu antecessor na carreira dos Girl Talk, mas a verdade é que, em momento algum, podemos aceitar isso como sendo negativo quando a inventividade da sua proposta se mantém perfeitamente dentro de todos os prazos de validade imagináveis.

     
Temas   1. Play Your Part (Pt. 1)
2. Shut The Club Down
3. Still Here
4. What It’s All About
5. Set It Off
6. No Pause
7. Like This
8. Give Me A Beat
9. Hands In The Air
10. In Step
11. Let Me See You
12. Here’s The Thing
13. Don’t Stop
14. Play Your Part (Pt. 2)
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - Night Ripper | CD | 2006
     
www.rum.pt www.sensoria.pt