A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: David Holmes
Título: The Holy Pictures
Ano: 2008
Editora: Mercury
Formato: CD

«The Holy Pictures» é o quinto disco pop-rock de David Holmes, compositor, produtor e DJ intimamente ligado à filmografia de Steve Soderbergh e à escrita de bandas-sonoras. Aliás, é maior o seu volume de trabalho como fornecedor de enquadramento musical a obras cinematográficas do que na elaboração de canções que existam sem o suporte de imagens.

De qualquer modo, são evidentes as ligações de Holmes à sétima arte, reflectidas numa forma cinemática de produção pop-rock, que em «The Holy Pictures» consegue atingir momentos de intenso brilho, alternados com outros, em muito menor número, de inferior notoriedade e inspiração. A intensidade com que sabe revestir os seus picos criativos com ricos ambientes e atmosferas planantes, projecta vívidas imagens que acompanham os acordes de guitarra ou as mantas de teclados que estende com mestria em cima de interessantes pulsões rítmicas, herança que carrega dos tempos em que animava clubs nocturnos na sua Belfast natal e que acabou por lhe render créditos ao ser convidado para remisturar temas de gente como U2, Primal Scream, Manic Street Preachers, St. Etienne, Therapy?, entre outros.

Curiosamente, é quando abandona mais expressamente o registo fílmico de criação de texturas (ainda que nunca delas faça tábua-rasa) e solta de uma forma mais evidente algumas das suas influências mais notórias (Kraut, Suicide, Jesus & Mary Chain, Primal Scream, ...), que David Holmes atinge os momentos que mais entusiasmam em «The Holy Pictures». O tema título é memorável na sua fusão da vocalização claustrofóbica com a vertigem ritmada de uma linha melódica atingida no estomago por riffs de guitarra, que remete tanto para as pistas de dança como para um universo próximo dos Primal Scream, circa «Xtrmntr». O mesmo conjunto de ingredientes é aplicado em «Love Reign Over Me», ainda que não consiga atingir um padrão tão excelso de inspiração. «I Heard Wonders»Martin Rev (dos Suicide) associar-se a Holmes numa espiral de tensão e abandono rítmico. «Kill Her With Kindness» abranda o passo para se enredar numa arrastada conspiração de sintetizadores e ecos, conseguindo uma óptima rampa de lançamento para que «Melanie» ascenda à condição de estrela em viagem caleidoscópica e nos deixe a sonhar até ao momento em que aterramos na perfeição melódica de «The Ballad Of Sarah And Jack», um belíssimo tema que articula o som de piano com um uma atmosfera de fim de tarde de verão, que encerra o álbum da melhor forma.

Pelo caminho, alguns temas de menor relevância roubam a «The Holy Pictures» o rótulo de imprescindível, mas que não chegam para apagar a óptima impressão que fica quando a última nota cessa e a vontade manda pressionar a tecla "repeat".

     
Temas   1 I Heard Wonders (5:35)
2 The Story Of The Ink (5:23)
3 Love Reign Over Me (3:48)
4 Theme / I.M.C. (3:56)
5 Holy Pictures (5:20)
6 Kill Her With Kindness (4:04)
7 Melanie (4:00)
8 Hey Maggy (4:59)
9 Birth (1:08)
10 The Ballad Of Sarah & Jack (4:28)
     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - This Films Crap Lets Slash The Seats | CD | 1995
- Let's Get Killed | CD | 1997
- Bow Down To The Exit Sign | CD | 2000
- The Free Association | CD | 2002
- The Dogs Are Parading | Digital | 2011
   
Artistas / grupos relacionados   - Martina Topley-Bird
     
www.rum.pt www.sensoria.pt