A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Guido Möbius
Título: Gebirge
Ano: 2009
Editora: Karaoke Kalk
Formato: CD

«Gebirge» é o terceiro álbum a solo de Guido Möbius, um músico originário de Colónia que adoptou Berlim como espaço geográfico de intervenção artística e que se entrega à arte de exploração de polirritmias e polifonias esquizofrénicas, de cujo magma fundente se libertam gases raros de liberdade musical, ainda que definitivamente conjugados num ponto focal pop, situados no coração de um prisma refractário que difunde braços ondulatórios de formas diversas e em incontáveis direcções.

Sendo uma música complexa na agregação que faz de diversas micro-estruturas rítmicas, em «Gebirge» nota-se uma constante preocupação com a melodia e da mutante relação desta com a profusão de elementos esporádicos que confundem os traços identitários de uma orientação global que, na essência, nada tem de estranho mas que resulta de audição exigente quando em conjugação simultânea.

Ou seja, a todos os clicks e claks metálicos e mecânicos que surpreendem a forte marcação rítmica, adicionam-se guitarras funk acotoveladas, punções de baixo musculadas, teclados errantes em distorção harmónica e desinibições de evocação jazzística, para além de uma série incontável de verborreias de filiação dadaísta, que cobrem «Gebirge» de uma sensação de anarquia. Mas uma anarquia confortável, pois se analisada à lupa revela surpreendentemente que cada pequeno elemento constituinte se encontra no preciso lugar onde devia estar e que o aparente caos é, afinal, uma teia complexa de focos ritmico-melódicos disciplinados, organizados por uma mente sintonizada com os modelos frenéticos de compressão temporal e de relacionamento social fragmentados que caracterizam a actual sociedade em rede.

«Gebirge» é, assim, um disco que em alguns momentos consegue ser surpreendente na radicalidade da sua abordagem, mas que ao mesmo tempo procura estender passadeiras de ligação com territórios musicais que nos são mais familiares, numa simbiose pop magnífica e com uma aliciante costela de experimentação, que sublinham o esforço de Guido Möbius na busca de linguagens capazes de questionar a electrónica à luz da a história da criação musical popular.

     
Temas   1. Niemens
2. I Am Williams Kamera
3. Dig A Mammoth
4. Being Nice
5. Sssplitter
6. Roosevelt Mayo
7. Gosse Overman
8. Princess Of Porz
     
     
www.rum.pt www.sensoria.pt