A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Andy Stott
Título: Too Many Voices
Ano: 2016
Editora: Modern Love
Formato: CD

Ao quarto álbum, Andy Stott é já referenciado como um dos expoentes da figura de produtor da era digital da música, numa carreira que, principalmente depois de 2011, altura em que refundou a sua própria criatividade, fez do glitch e dos pequenos ruídos quase insignificantes a matriz de sustentação da minúcia com que opera a actividade de composição, e aumentou o som do baixo, dando-lhe uma profundidade desmedida.

Eminentemente urbana e nocturna, a música de Stott sabe jogar com a frieza dos espaços de betão e com a estrutura geométrica de estruturas metálicas, tanto quanto com uma articulação esparsa de flashes melódicos e aparições vocais, que nunca permitem afirmar que o solo que pisa é sólido, antes se assemelhando a uma substância plástica em mutação constante, cuja definição de arestas raramente surge focada.

Por isso, a tentativa de lhe aplicar rótulos herméticos, como grime, experimental, ambient, downtempo, electronic ou synth-pop, parece sempre desajustada a uma música que é tudo isso, mas simultaneamente não pode ser reconhecida como tal, assemelhando-se a um fluido translúcido que adquire a capacidade de, a cada momento, adoptar a forma do seu contentor, numa sublime compreensão da música de que melhor respira a criatividade dos nossos dias.

É este estado de permanente superação artística que pode ser contemplado em «Too Many Voices», fenda profunda que Andy Stott deixa para a compreensão interna da música que vai marcar o ano de 2016.

     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - Merciless | CD | 2006
- Unknown Exception | CD | 2008
- Luxury Problems | CD | 2012
     
www.rum.pt www.sensoria.pt