A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | 0-9
Disco    
   

Grupo: Shilpa Ray
Título: Door Girl
Ano: 2017
Editora: Northern Spy
Formato: CD

É inacreditável que, por esta altura, Shilpa Ray não seja ainda capaz, sequer, de viver da música - mais ainda, evidentemente, que não seja uma figura conhecida além de um círculo muito restrito de fãs, que conseguem perceber na sua música uma crueza e genialidade ao alcance de muito poucos.

O lamento no seu bandcamp é visceral: "Appreciated by the sub sect of the sub sect is like being the beauty queen at the leper colony". Assim, sem meias parlavras, direta ao assunto. Como a sua música: descontrolada, crua, visceral, por vezes brutal, sempre honesta. Como se de um grito testa-com-testa, olhos-nos-olhos se tratasse!

«Door Girl» mostra-nos Shilpa Ray a servir de relatora da Nova Iorque em que vive, adoptando o ponto de observação revelado pela sua realidade de controladora de entradas num club noturno de reputação duvidosa, onde convivem em permanente tensão o rock'n'roll, o álcool, as drogas, a violência e todo o tipo de comportamentos considerados desviantes. E é isso que faz deste disco uma banda-sonora, na primeira pessoa, da observação etnográfica participante da sua autora, permitindo-lhe compor um caldo de subculturas da noite na grande maçã, vertido num conjunto brilhante de 12 canções recheadas de autenticidade e energia, e vestidas com os diversos trajes musicais que habitam o underground daquela cidade.

Por isso, encontramos traços da rudeza punk, da irreverência do indie rock, do risco estético do noise, das sombras de morte góticas, do charme retro do doo-wop, das rimas ritmadas do hip-hop. Uma música viva, cruzada pela rugosidade da sua voz, que se permite assumir diversos registos diferentes, desde o spoken-word ao registo clássico de clube noturno, da raiva descontrolada à pulsão de MC, da calma aparente da canção de lamento à fúria roufenha do rock saído das entranhas.

São 12 canções em que Shilpa Ray não brinca em serviço, trazendo sempre algo mais do que poderíamos esperar e ampliando (e muito) o seu espaço próprio no contexto do submundo do indie rock, mostrando-se uma compositora que assimila influências, compreende o seu tempo e cria um mundo musical de inegável personalidade e notável brilhantismo. O que faz de «Door Girl» um dos nossos discos inescapáveis de 2017!

     
Outros discos do mesmo artista / grupo   - It's All Self Fellatio EP | Digital | 2013
- Make Up EP | Digital | 2015
- Last Year's Savage | Digital | 2015
- Paisley | Digital | 2016
- Shilpa Ray On Audiotree Live | Digital | 2018
     
www.rum.pt www.sensoria.pt